Medidas foram prorrogadas em Fazenda Coutos e Coutos, Pernambués, Saramandaia, São Cristóvão, área que inclui Cabula, Cabula VI e Resgate, assim como no bairro do Beiru/Tancredo Neves. Avenida Joana Angélica, em Salvador
Reprodução/TV Bahia
O prefeito de Salvador, ACM Neto, anunciou na manhã desta quarta-feira (8) a prorrogação por mais uma semana das medidas restritivas no Centro de Salvador, que inclui as Avenidas Joana Angélica, Sete de Setembro, Carlos Gomes, além do bairro do Dois de Julho, a Baixa dos Sapateiros e a Rua da Mangueira.
Além disso, ACM Neto também anunciou a prorrogação das medidas restritivas nas regiões de Fazenda Coutos e Coutos, Pernambués, Saramandaia, São Cristóvão, área que inclui Cabula, Cabula VI e Resgate, assim como o bairro do Beiru/Tancredo Neves. revelou ainda que as medidas restritivas serão implementadas nos bairros de Nordeste de Amaralina e Liberdade
Desde a última semana, apenas estabelecimentos comerciais podem abrir as portas no Centro, que também recebeu postos de com testes rápidos para coronavírus, distribuição de máscaras, higienização das ruas e ações de combate ao Aedes Aegypti.
Com a prorrogação, a prefeitura mantém interdições na área. A Avenida Sete de Setembro está interditada no cruzamento com a Rua Horácio Cesar, nas imediações do Sebrae, com desvio do tráfego para a Rua Politeama de Cima. Já o acesso à Avenida Joana Angélica está bloqueado por barreiras fixas no acesso à Rua do Paraíso.
As barreiras móveis estão no cruzamento com a Rua Portão da Piedade, imediações da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB); Rua da Mouraria, nas proximidades do Colégio Central; e na Rua da Mangueira, próximo ao Campo da Pólvora.
No Dois de Julho, as barreiras fixas estão no acesso ao Largo pela Rua Carlos Gomes, e na saída, pela Rua da Faísca. Os moradores que precisam acessar o local têm como opção a Ladeira do Gabriel.
Medidas prorrogadas em outros bairros
De acordo com o prefeito, entre as regiões que tiveram as medidas restritivas prorrogadas, Beiru/Tancredo Neves motiva preocupação especial.
“Já vamos para a quinta semana no Beiru/Tancredo Neves. É o recorde de permanência em uma região da cidade. O que impressiona é que estamos entrando na quinta semana de medidas restritivas, e os casos positivos detectados pela testagem da prefeitura sempre superam a casa dos 35%. É um índice altíssimo. A gente continua muito preocupado com a situação do Beiru/Tancredo Neves. Nenhum bairro ficou tanto tempo sob as medidas. Faço um apelo aos moradores, que tenham consciência. A situação continua séria. Só teremos condições de sair de lá, flexibilizando as medidas, depois da redução da confirmação de casos positivos”, falou ACM Neto.
No bairro do Pau da Lima, o decreto que mantém a atuação restrita do comércio é válido até o fim de semana. O prefeito anunciou que, na sexta-feira (10), as medidas chegam ao fim nas regiões de Santa Cruz e Imbuí.
Nordeste de Amaralina e Liberdade
Para substituir Santa Cruz e Imbuí, ACM Neto informou que as ações da prefeitura serão implementadas nos bairros de Nordeste de Amaralina e Liberdade. No caso da Liberdade, será um retorno das equipes da gestão municipal, já que a área passou pelas restrições durante duas semanas entre maio e junho.
“Já estivemos na Liberdade, passamos por lá, saímos e houve melhoria na dinâmica da comunidade. Mas nos últimos sete dias verificamos um aumento muito grande no número de casos. Somente nos últimos sete dias foram 121 casos confirmados, totalizando 436 no último mês”, informou ACM Neto, que complementou com dados do Nordeste de Amaralina na sequência.
“No Nordeste de Amaralina, nos últimos sete dias, registramos 91 casos. Foi um dos bairros com maior número de casos nos últimos sete dias. Se reforça pela realização de testes rápidos feita na comunidade. São 360 casos da Covid-19 na região”, pontuou.
A adoção de medidas restritivas em determinados bairros da cidade foi implementada pela prefeitura em maio para tentar conter a propagação do coronavírus na cidade. De acordo com dados do último boletim da Secretaria de Saúde do estado (Sesab), divulgado no fim da tarde de terça-feira (8), Salvador possui 39.865 casos confirmados da Covid-19, com 1.339 mortes em decorrência da doença.
Protocolos de retomada das atividades
Durante a coletiva de imprensa, ACM Neto explicou mais detalhes sobre o protocolo de flexibilidade das atividades, que foi apresentado na manhã de terça-feira (8). As etapas serão adotadas mediante a ocupação dos leitos de UTI da cidade. Para que a primeira fase entre em vigor, será preciso ter, no máximo, 75% dos leitos ocupados por pelo menos cinco dias consecutivos.
Segundo o prefeito, cada etapa terá uma “folga” na ocupação para determinar se segue em vigor ou se os estabelecimentos voltarão a ser fechados.
ACM Neto em coletiva de imprensa na Estação da Lapa, em Salvador
Reprodução / Youtube
No caso das atividades que estão na primeira fase, o que inclui shoppings centers e templos religiosos, a prefeitura determinou que a “folga” será de 5%. Desta forma, os estabelecimentos seguirão abertos exceto o caso de a ocupação romper a barreira de 80%.
“Sobre um eventual retrocesso. Se chegar a uma taxa superior a 80%, fecha. Teremos uma banda de flexibilidade, de 75% a 80%. Se chegar em 80%, fecha tudo novamente. Não permitiremos acima de 80% para não ter colapso”, justificou ACM Neto.
O prefeito afirmou ainda que existe um protocolo de funcionamento para unidades de ensino. Porém, a prefeitura só divulgará o plano quando houver uma perspectiva concreta de retomada das aulas.
“Não incluímos ontem as aulas e o protocolo da educação. O tratamento à rede de ensino deve ser feito de maneira distinta do tratamento ao comércio. Temos um protocolo específico para a volta às aulas. Já está desenhado, mas não temos perspectiva de retorno. O objetivo da prefeitura é impedir que o ano letivo seja jogado no lixo. Queremos aproveitar o ano letivo. Tenho feito reuniões permanentes, estamos conversando com técnicos especializados em educação no Brasil todo. O protocolo está desenhado, mas não podemos apresentar agora para não gerar expectativa de retorno. O nosso desejo é que as aulas possam voltar em agosto, mas não posso garantir que vá acontecer. São Paulo, por exemplo, anunciou em junho que as aulas voltariam em setembro. Acho irresponsável esse nível de antecipação. Vamos apresentar o protocolo quando houver horizonte mínimo de possibilidade de volta as aulas”, finalizou.
Veja mais notícias do estado em G1 Bahia.